sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O vento e a vela - José Tadeu de Jesus

Gostei do poema, muito bem escrito, e de saber desse lado lírico do José Tadeu. Que outros poemas aconteçam!

3 comentários:

  1. Oi, Cissa... que bênção revê-la pelas palavras. Lembro-me de você da Bienal de São Paulo, quando fizemos parte - honrosamente - da antologia "Dois rostos da poesia lusófona "- Abaixo, minha contribuição. Beijos fraternais. Luiz Poeta

    TEUS OLHOS MEUS E TEUS
    Luiz Poeta
    Luiz Gilberto de Barros – às 20 h e 53 m do dia 20 de abril de 2009 do Rio de janeiro, para o carinho de Cissa de Oliveira.

    Teus olhos, que eram meus, não permitiam
    Que eu visse a solidão que me rondava,
    Pois quando com teus olhos enxergava,
    Cegava-me nos olhos que te viam.

    Um dia, o teu olhar fugiu do meu.
    Nos ermos do silêncio, procurei-o,
    Porém, na escuridão, tive receio,
    Temendo ver onde ele se escondeu.

    Passei a rebuscá-lo... confundia
    Teus olhos com meus olhos, misturei-os
    Com todas as paixões e os anseios,
    E o medo da mais tola fantasia.

    Mas quando o meu olhar buscou o teu,
    Tomou a mão do sonho num enleio
    Que fez de cada abismo, um devaneio...
    Meus Deus... onde o meu sonho se perdeu ?

    Teus olhos passionais o seduziram,
    Mentiram, ensinando que amar
    É ver a emoção... sem me mostrar
    O precipício que outros olhos viram.

    Então... quando, afinal, os encontrei,
    Mirando meus espelhos... distraídos...
    Estavam os teus olhos diluídos
    Nas lágrimas de sal que eu derramei.
    ...

    ResponderExcluir
  2. Luis Poeta, o poema é do José Tadeu, não meu. Então esse poema seu faz parte da antologia? Lembro que escrevi a Apresentação, na época. Eu gostava de participar de antologias, agora não mais; sei lá, não tenho paciência, mas se surgir uma muito boa novamente, talvez.

    ResponderExcluir